O caleidoscópio noir de um Bolaño em formação. Ideias sobre A Pista de Gelo de Roberto Bolaño

Desde quando li 2666, me proponho a ler, pelo menos, um Bolaño por ano. É um dos poucos escritores a cuja obra me dedico de forma tão constante (alguns poderiam dizer obsessiva). Pois bem. O Bolãno de 2016 foi A Pista de Gelo, segundo romance do autor publicado originalmente em 1993 (o primeiro, “Senda dos … Mais O caleidoscópio noir de um Bolaño em formação. Ideias sobre A Pista de Gelo de Roberto Bolaño

Porque hoje é Sábado – Oswald de Andrade

Mais um “Porque hoje é Sábado” com um modernista brasileiro. Escolhi, para este Sábado, Oswald de Andrade, o grande agitador cultural do modernismo e, para muitos, o seu mais radical representante. Era uma figura única. Sua vida foi intensa e extremamente interessante. Conheceu algumas das principais figuras das vanguardas europeias do início do século XX. … Mais Porque hoje é Sábado – Oswald de Andrade

Porque hoje é Sábado – Mario de Andrade

Continuo a minha série de “Porque hoje é Sábado” com um poeta do modernismo brasileiro. Depois de Bandeira e Drummond, li Pauliceia Desvairada, segundo livro de Mario de Andrade publicado em 1922, um dos marcos mais relevantes do modernismo brasileiro. Antes de tudo, uma nota pessoal. Não tenho pela poesia de Mario de Andrade o … Mais Porque hoje é Sábado – Mario de Andrade

Um pouco sobre futebol e Clarice Lispector

Venho, há algum tempo, pensando em fazer um post sobre futebol. Sou, como sempre digo aos amigos, um Botafoguense Estoico. Estoico não só porque torcer para o Botafogo requer uma grande dose de abnegação, mas, antes de tudo, porque não sou exatamente um conhecedor de futebol. Mesmo assim, Botafogo é parte intrínseca da minha identidade … Mais Um pouco sobre futebol e Clarice Lispector

A Lisboa de Fernando Pessoa em prosa e poesia.

Vez ou outra, escolhas para o próximo livro acontecem sem obedecer a nenhum planejamento ou lógica. Tenho o guia “Lisboa – O que o turista deve ver” há uns bons dez anos. Já havia aceito que seria um daqueles volumes que, como todo possuidor de bibliotecas, acabaria por não conhecer. Pois estava errado. Durante toda … Mais A Lisboa de Fernando Pessoa em prosa e poesia.

Porque hoje é Sábado – Carlos Drummond de Andrade

Uma das coisas mais bacanas do Porque hoje é Sábado é pesquisar os poetas que vou postar. Mesmo quando escolho um poeta conhecido, tento achar um livro específico, estuda-lo um pouquinho. Como disse no post com Manuel Bandeira, dá algum trabalho, mas vale muito a pena. Para esta semana escolhi Alguma Poesia, livro de estreia … Mais Porque hoje é Sábado – Carlos Drummond de Andrade

O fractal de anacolutos de Pula pula macacada que amanhã não tem mais nada.

“A gente tinha uma riqueza de fatos e protagonistas que fazia cada dia de CSB ser inesquecível.  De fato, era tudo tão expressivo que a mera introdução odo que eram esses tempos já geraria um conto à parte. Ou vários. As lembranças se multiplicam e atraem outras, num fractal de anacolutos”. CARNEIRO. 32 Songs ou … Mais O fractal de anacolutos de Pula pula macacada que amanhã não tem mais nada.

Porque hoje é Sábado – Manuel Bandeira e A Cinza das Horas

Fazer o Porque hoje é Sábado dá um certo trabalho. Não gosto de simplesmente “jogar” um poema, mesmo que seja um velho conhecido (meu e/ou dos meus cinco leitores). Com isso, acabo lendo uma boa quantidade de poesia, muitas das vezes livros inteiros para escolher o texto do Sábado. Não justifica a demora em postar, … Mais Porque hoje é Sábado – Manuel Bandeira e A Cinza das Horas

A Angola antes de si. Umas poucas linhas sobre A Sul, o Sombreiro.

Ganhei “A Sul, o Sombreiro”, um dos mais recentes livros do angolano Pepetela de presente de aniversário. Já havia lido o primeiro livro do espião Jaime Bunda, sua crítica ácida da sociedade angolana disfarçada de pastiche de agente secreto e gostara bastante. Sabendo que boa parte de sua obra tem pano de fundo histórico (seja … Mais A Angola antes de si. Umas poucas linhas sobre A Sul, o Sombreiro.